Com a benção de Lima Barreto

Por incrível que pareça, tudo começou em Nova Iguaçu, em julho de 2010. Naquele momento e lugar, Júlio Ludemir e Ecio Salles conversaram pela primeira vez sobre o desejo de realizar uma grande festa literária, tipo a FLIP, numa favela carioca. E mais, uma favela com UPP: daí nasceu a FLUPP. Logo em seguida, formamos um time – na verdade, uma verdadeira Seleção – de primeira linha para pensar e concretizar o evento. Heloísa Buarque de Hollanda e Luiz Eduardo Soares deram o toque que faltava para o desejo virar ação.


A primeira decisão era garantir que o evento não fosse uma ação isolada, mas a culminância de um processo. Assim nasceu a FLUPP Pensa, um processo formativo realizado nos meses anteriores à FLUPP – Festa Literária das UPPs. Entre março e julho de 2012, a FLUPP Pensa realizou 14 ações em diferentes
comunidades da metrópole fluminense e mais duas na Academia de Polícia Militar, num processo de formação de novos leitores e autores. Esses novos autores, 43 no total, lançarão um livro durante a FLUPP. O processo demonstrou que não só existe um público leitor nas periferias do país, mas também um grande número de poetas, contistas, romancistas, cronistas. Como diria Sérgio Vaz, um povo lindo e inteligente que faz da Literatura seu mais potente meio de expressão.


A segunda era que o evento produzisse legados. Na FLUPP, que desde a metade de 2011 vem sendo debatida e pactuada na comunidade dos Prazeres, há alguns já em andamento. Reforma da biblioteca da Associação de Moradores, graffiti no muro de entrada e em outro na rua seguinte, geração de renda para projetos e moradores da comunidade, parceria para introdução de um posto de coleta seletiva de lixo e muito mais.


Durante a caminhada, tivemos o prazer e a honra de encontrar novos parceiros, reencontrar antigos, fazer amigos e construir um evento-processo-ação que superou nossas melhores expectativas. Muitas pessoas trabalharam exaustivamente para que tudo certo. Devemos também a elas o que realizamos
até agora. Certamente, estão todas citadas aqui, em alguma página desse material. A todos e todas, nossa ilimitada gratidão.


Acreditamos no poder de transformação dos livros, da leitura, do conhecimento. Sabemos que esses elementos não transformam o mundo, mas transformam as pessoas. Transformou a nós.


Transformou a muitos outros com quem nos encontramos nessa travessia compartilhada. E podemos transformar mais. Há muitos conspirando para esse fim transformador. Nós somos mais uma abelha nesse enxame, mais um peixe nesse cardume.