top of page

Conceição Evaristo e Helena Theodoro participam de mesa sobre a historiadora

Conceição Evaristo e Helena Theodoro participam de mesa sobre a historiadora, no dia 11 de maio, no Circo Crescer e Viver. Com patrocínio master da Shell, a programação gratuita apresenta a agenda anual do festival, que em 2024 vai promover formação de escritores, roteiristas, poetas quilombolas, indígenas além de reunir vozes das periferias brasileiras e atlânticas, em debate com o G20



A historiadora, poeta, cineasta e intelectual Beatriz Nascimento é a escritora homenageada da Festa Literária das Periferias-Flup em 2024. Nesta 14a edição, o festival declarado patrimônio cultural imaterial do Rio de Janeiro celebra uma obra que despertou um outro imaginário brasileiro e que se desdobrou numa nova geração de intelectuais e escritoras que transformam o cenário cultural hoje. A escritora Conceição Evaristo e a filósofa Helena Theodoro abrem as homenagens na mesa "A noite não adormece nos olhos das mulheres", mediada pela também escritora Bianca Santana. A programação é gratuita, no dia 11 de maio, sábado, a partir de 12h, no Circo Crescer e Viver, na Praça Onze. O Pagode da Gigi, com participações de Marcelle Mota e Nina Rosa, fecham a noite no chão que foi berço do samba carioca. 


"A palavra quilombo não existia como símbolo de estratégia e inteligência de sobrevivência, até Beatriz Nascimento", explica Julio Ludemir, diretor-fundador da Flup. "Queremos que sua obra seja cada vez mais conhecida, mais lida, mais publicada, que chegue ainda mais longe", ressalta. Ao homenagear Beatriz Nascimento, a Flup 24 traz o conceito de quilombo - agregação, comunidade, luta - como fundamento da sua programação anual. No ano em que o Rio de Janeiro recebe a cúpula do G20, o festival faz um diálogo entre periferias globais e movimentos transatlânticos, referência explícita ao "Eu sou Atlântica", um dos versos mais emblemáticos da produção de Nascimento. 


Pelo terceiro ano consecutivo, o projeto conta com a Shell como sua patrocinadora master. “Um dos critérios para escolha de nossos patrocínios culturais é que os projetos englobem ações de diversidade, equidade e inclusão. E essa é a essência da FLUP, que proporciona um futuro melhor através da arte, acreditando, assim como a Shell, na força da cultura como vetor transformador de realidades. É com orgulho que seguimos por mais um ano com essa parceria” – comenta Alexandra Siqueira, gerente de Comunicação Externa da Shell Brasil.


Beatriz Nascimento emprestou sua voz e sabedoria para o longa-metragem Ôri, dirigido por Raquel Berger, em 1989. O filme, um dos principais documentários do cinema brasileiro, fala da refundação do Brasil a partir de uma das formas de aquilombamento contemporâneos: os terreiros, espaços de culto das religiões de matriz africana. Por isso, na véspera do dia das mães, a Flup aproveita para discutir a intolerância religiosa com a mesa "Deixa e gira girar", que reunirá a yalorixá, escritora e matriarca do Ilê Asé D'Oluaiyè, Márcia Marçal e a socióloga, escritora e matriarca da Casa do Perdão, Flávia Pinto. A mediação é da cineasta pernambucana Natara Ney, que também é curadora da programação do 11 de maio. “Terreiro, Gira, encontro. Palavras familiares, palavras sagradas. Esta primeira gira da Flup é a possibilidade de ouvir importantes pensadoras sobre temas que nos afetam, dores em comum e também alegrias, desejos, projetos. Mulheres plurais”, destaca a cineasta. 


As poetas Carol Dall Farra, Josi de Paula, Winona Evelyn e MC Martina fazem o Sarau Beatriz Nascimento no início de cada uma das mesas. Serão recitados poemas autorais e também poemas da homenageada da Flup 24. Todas as ações do ano vão dialogar com a obra de Beatriz Nascimento, incluindo os quilombos, os terreiros, as narrativas orais preservadas pelas matriarcas, a poesia e o samba. Para fechar a noite, o Pagode da Gigi traz uma roda de samba formada integralmente por mulheres, com a participação especial das cantoras Marcelle Mota e Nina Rosa. Nos intervalos, quem anima o público é a DJ Jess. 


No centro das discussões sobre a obra de Nascimento, a Flup vai trazer uma rede de 100 mulheres acadêmicas negras, criada por Thaís Alves Marinho e Rosinalda Simoni, que biografou outras 100 mulheres brasileiras negras e ousaram colocar em prática a máxima da intelectual negra "precisamos falar de nós mesmos". A programação deve articular espaços periféricos na cidade, com a presença dessas intelectuais, para promover a escuta dessas histórias, infelizmente pouco conhecidas, e lançar o livro com as 100 biografias chamado "Dicionário Biográfico: Histórias Entrelaçadas de Mulheres Afrodiaspóricas". 


Formação de escritores, roteiristas e poetas quilombolas


O evento também marca a abertura das inscrições para a formação de escritoras e escritores  "Yabás, Mães Rainhas", que vai resultar no 31º livro lançado pela Flup. Serão sete encontros, em sete sábados consecutivos, em terreiros que cultuam cada uma das yabás: Iemanjá, Oxum, Obá, Iansã, Nanã e Ewá, incluindo a entidade feminina Pomba-gira. Os 50 participantes selecionados vão escrever contos a partir dos itans, ou seja, os relatos míticos que envolvem essas importantes protagonistas da cosmologia afro-brasileira. 


 “A existência, resistência de nossa cultura está nos terreiros, mães que alimentam, contam histórias e cuidam de seus filhos. Orí-entação. Este processo formativo traz a beleza dos encontros, da fabulação e oralidades. Acredito que cada visita nos trará ensinamentos únicos, não apenas para as nossas escritas, mas também, e principalmente, para a nossa vida”, explica a curadora Natara Ney. 


Em junho, a Flup inicia um outro processo formativo: o Slam de Quilombo, ecoando a obra de Beatriz Nascimento e homenageando o intelectual quilombola Nêgo Bispo. Participam 10 quilombos de 10 diferentes estados brasileiros, que recebem slammers experientes para dar oficinas de poesia e performance. Cada quilombo promove uma batalha de slam local. Os vencedores de cada estado viajam para o Rio de Janeiro, para a grande final, em novembro. 


Em agosto, será lançada a oitava edição do Laboratório de Narrativas Negras e Indígenas para Audiovisual - Lanani. A parceria da Flup e a Globo já formou mais de 220 roteiristas nos últimos sete anos, renovando o mercado audiovisual brasileiro. São três meses de formação com dois encontros semanais, um para aulas sobre formatos narrativos e estruturas de roteiro audiovisual e o segundo para mentorias de discussão dos projetos individuais dos participantes. O objetivo é a produção de um argumento para audiovisual, seja filme, série ou mesmo novela.


Periferias 20 e o G20


O evento do 11 de maio também é um anúncio das datas do festival. Em 2024, a Flup propõe fortalecer o debate público sobre as principais questões das periferias - globais e brasileiras, no âmbito do encontro do G20, no Rio de Janeiro. Vozes nacionais e internacionais, representantes de periferias regionais, climáticas, raciais, étnicas e de gênero, se encontrarão em mesas de debates durante a programação, de 11 a 17 de novembro.


"No momento em que o Rio de Janeiro vai receber as principais lideranças políticas e econômicas mundiais, a Flup vai fazer um festival reunindo vozes de destaque que pensam as periferias atlânticas internacionais no ciclo de debates denominado Periferias 20", explica Ludermir. Ao longo do ano, o Flup vai anunciar os convidados confirmados. 


A Flup 24 é apresentada pelo Ministério da Cultura e Shell. Tem patrocínio master da Shell, patrocínio do Instituto Cultural Vale e Globo por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O apoio é da Fundação Ford. A Fundação Roberto Marinho e o Canal Futura são parceiros. Realização: Suave, Associação Na Nave, Ministério da Cultura, Governo Federal.


Sobre a Flup: 

A Festa Literária das Periferias - Flup  tem como missão propor outras experiências literárias, por isso atua em territórios periféricos abrindo caminhos para que livros, ideias e experiências antes à margem cheguem mais longe. Em 12 anos atuando no Rio de Janeiro, a Flup já passou pelo Morro dos Prazeres, Vigário Geral, Mangueira, Babilônia, Vidigal, Cidade de Deus, Maré, Biblioteca Parque, Museu de Arte do Rio - MAR e Providência, promovendo encontros entre grandes personalidades da literatura, tanto nacionais quanto internacionais. A Flup recebeu prêmios e reconhecimento, entre eles, o Faz diferença de 2012, o Awards Excellence de 2016 e o Retratos da Leitura de 2016, respectivamente outorgados pelo jornal O Globo, a London Book Fair e o Instituto Pró-Livro. Em 2020, foi vencedora do Prêmio Jabuti na categoria Fomento à Leitura. Em 2023, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro declarou a Flup patrimônio cultural imaterial. A Flup é um festival feito por equipes de produção majoritariamente negras e com mulheres em cargos de liderança. 


Sobre a Shell 

Há 111 anos no país, a Shell é uma companhia de energia integrada com participação em Upstream, Gás Natural, Trading, Pesquisa & Desenvolvimento e no Desenvolvimento de Energias Renováveis, com um negócio de comercialização no mercado livre e produtos ambientais, a Shell Energy Brasil. Aqui, a distribuição de combustíveis é gerenciada pela joint-venture Raízen. A companhia trabalha para atender à crescente demanda por energia de forma econômica, ambiental e socialmente responsável, avaliando tendências e cenários para responder ao desafio do futuro da energia.


Serviço:

Festa Literária das Periferias-Flup

Abertura da agenda anual 

Dia: 11 de maio de 2024, sábado

Hora: a partir de 12h 

Local: Circo Crescer e Viver (próx. Estação Praça Onze)

Entrada gratuita 


Siga @fluprj no Instagram 

454 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page